Aprenda um Idioma do Zero Sozinho

Raissa Correia
6 min readDec 16, 2019
Pilha de Livros de Gramática e Dicionários
Fonte: Pixabay Free Image

Tantas vezes nos deparamos com a necessidade de aprender inglês, ou um novo idioma, seja pelo trabalho, pela oportunidade de um intercâmbio, de se envolver em um relacionamento com alguém de outro país, e então nos esbarramos com a dificuldade financeira e de tempo de aprender um idioma. Crescemos com a ideia de que levará anos para chegar na fluência de um idioma, e nisso gastar uns 300 reais por mês numa escola, que normalmente funcionam só em horário comercial, e que apresentam o conteúdo lentamente. Nesse contexto há alguns anos atrás, tive a ideia de desenvolver uma metodologia para praticar um novo idioma do zero em casa, com 30 minutos a 1 hora por dia, e em alguns meses os resultados são perceptíveis, além de poder fazer em qualquer hora do seu dia, e ter uma imensa satisfação com o desenvolvimento da autodisciplina.

O mais importante ao começar esse texto é deixar claro que darei os exemplos para aprender o francês, especialmente nos canais do youtube que citarei, pois é o que estou aprendendo no momento, mas todas essas dicas são adequadas para o inglês, especialmente os sites, livros e apps que estou citando.

Fase 0: Juntar as fontes num ambiente prático

O primeiro passo é ter no seu fácil acesso em casa, no seu celular, no seu computador as fontes, além dos sites e apps que usaremos, e criar esse ambiente.

Aqui vai a lista de coisas que podemos fazer da mais relevante para a menos relevante:

Photo by Green Chameleon on Unsplash
  1. Duolingo: Instalar o app e favoritar o site — caso você prefira o site, ainda falarei mais dele e de sua importância para construir o vocabulário e sair do zero. Basicamente ele é uma forma de guiar o seu desenvolvimento de vocabulário e frases básicas, para ajudar a pensar em novas frases.
  2. Dicionários: Hoje o melhor dicionário é o Google Tradutor, recomendo que tenha o app, com o pacote do idioma que queira aprender baixado, se o espaço de memória do teu smartphone permitir isso e tenha no seu navegador como aba fixada(já que a grande maioria usa o chrome).
  3. Gramática e Livro de Verbos: Em idiomas ocidentais, os 2 livros técnicos mais importantes são a gramática prática, recomendo a do Michaelis, e o livro de verbos por listar os verbos irregulares importantes, além de ter todas as conjugações principais no caso do francês e do espanhol.
  4. Youtube: Saia procurando canais do youtube que falem sobre o idioma que você deseja aprender, em um idioma que você já seja fluente obviamente. Se você já sabe inglês, há excelentes canais sobre francês e espanhol em inglês, e você não precisa ficar restrito a fontes brasileiras sobre o assunto.
  5. Reddit/Fóruns: Um hábito que o brasileiro não tem é o de consumir conteúdo em fóruns, e normalmente os reddits ocasionalmente são ótimos lugares para se tirar dúvidas pontuais com pessoas que já são fluentes em um idioma.
  6. Um Caderno: Pegue um caderno pequeno para que você possa levar nas viagens se quiser, e divida ele entre 3 seções: resumos das regras gramaticais, uma parte com vocabulário que você já descobriu, e outra com as frases e histórias que você irá escrever. Você pode fazer isso no digital, mas não é tão memorável quanto escrever na mão.

Agora com os recursos à mão vamos aplicá-los em cada uma das fases de compreensão.

Fase 1: Mais duolingo e menos do resto

No começo o que mais nos impede no aprendizado de um idioma, é a completa falta de noção de por onde começar: é necessário um vocabulário muito básico, e a construção das frases mais simples como “Alice é inteligente” e “Letícia não trabalha”, para isso é necessário começar pelo Duolingo. Recomendo que faça em torno de 30 a 45 minutos por dia, no começo, e lembre-se que é repetitivo e chato mesmo. Para além do duolingo, em 2 ou 3 dias na semana, veja os canais do youtube, leia textos e jornais, especialmente sobre os temas mais básicos, e não tenha receio de jogar tudo no google tradutor e testar diferentes combinações de palavras para ver se modifica a tradução. Levará meia hora para ler 1 ou 2 parágrafos? Com certeza! Mas esse é o caminho.

Feito isso, escreva no seu caderno as frases do duolingo, e as que você leu nos sites, jornais e no youtube, criando um catálogo de frases básicas, e de palavras básicas que te ajudarão a ter um material de consulta para construir frases complexas daqui alguns meses.

Lembre-se que no duolingo tem um ícone de lâmpada antes de iniciar uma lição, lá tem um pequeno texto que diz explicitamente do que o conteúdo da lição se trata, se vai falar do passado, do presente, condicional, gerúndio, com isso vá na seção respectiva do livro de gramática prática e faça um resuminho, 1 vez na semana. Lembre-se não se sobrecarregue 45 minutos por dia já está excelente.

Fase 2: Consumir conteúdo, e resumir conteúdo gramatical

O duolingo, dependendo do curso será um processo bastante longo para fazer tudo, vários meses, pode até chegar a 1 ano e meio. Conforme você vai ganhando um certo conhecimento, são necessárias 2 coisas, além do que falamos na fase 1:

Fazer o resumo do conhecimento de gramática, e começar a estruturá-lo para você tenha um manual, um fluxograma de como se constrói as frases. Tenha anotado as principais questões ortográficas que te confundem, do vocabulário e das frases, e com isso, gastar uns 10 minutos tentando escrever frases novas, e para checar a frase jogue no Google Tradutor e na busca entre aspas para saber se ela faz sentido, se fizer sentido ela trará bem mais resultados que uma frase errada quando escrita entre aspas na busca.

From Wikimedia Commons

Além disso, é bom reservar um tempo para alternar canais no Youtube que são sobre o idioma, e que são no idioma desejado, a maior parte não será entendida, mas pegar palavras, ou frases individuais e se acostumar com a sonoridade será extremamente motivante. Continue fazendo tudo que fazia na fase 1, mas logo com maior domínio seus mesmos 45 minutos serão mais bem aproveitados com mais e mais leitura.

Fase 3: Construir histórias, consumir conteúdo

A partir de um certo ponto, além de escrever frases, pequenos trechos, é necessário construir histórias, sejam narrativas, descritivas, e uns textos mais técnicos. Variar temas e características sempre é importante! Após escrever, vá em frente ao espelho e grave lendo elas como um intérprete ou dublador mesmo, para garantir uma evolução não só da pronúncia, mas para se acostumar em termos fonoaudiológicos aos novos fonemas da língua. Pois quando temos a percepção que na cabeça falamos lindamente, ao abrir a boca fica horrível, isso acontece porque o conhecimento do idioma está bom, mas o lado fonoaudiológico não foi desenvolvido.

Nesse ponto você irá corriqueiramente consumir conteúdo de livros, filmes, séries, Youtube, Spotify(musica e podcast), dúvidas eventuais em fóruns, por isso é sempre legal o google tradutor, e a busca por perto. Além disso, o seu tempo com os elementos da fase 1 e da fase 2 devem diminuir.

O foco em escrever suas histórias e se gravar contando elas, deve ser o prioritário.

Fonte: Pexels

Fase 4: Escrever e conversar

Após uma certa prática de escrita, oralidade, vocabulário e afins, a ideia é encontrar pessoas que estejam aprendendo ou já saibam o idioma, e conversar com elas, por mensagem, pessoalmente, por vídeo. Aqui vão algumas ideias de como fazer isso:

Italki, que é um site pago para se falar com professores. Hellotalk, para se falar com estrangeiros. No entanto o ideal mesmo é descobrir, ou criar caso não tenha, grupos de Whatsapp e de Facebook das pessoas na sua região interessadas no idioma como tem para inglês e francês na Unicamp por exemplo.

Vale dizer que os outros recursos como o Reddit, e outros sites que voce encontrará são conteúdos auxiliares bem vindos em qualquer fase do aprendizado,

Como pode-se observar é necessário muita disciplina, paciência, e principalmente consistência, mais importante que praticamente muito é praticar sempre, os 45 minutos diários, pois isso que cria o hábito e a percepção de progresso mais “fácil”, além de sempre diversificar fontes, e criar um ambiente onde você possa sem vergonha e timidez ter um aprendizado ativa, onde você fale e escreva, nem que seja para ninguém. Muita força e perseverança na sua jornada de aprendizado!

--

--

Raissa Correia

Just a brazillian fullstack dev @raideveloper on twitter and instagram